Farmácia Hospitalar

O mais completo conteúdo de Farmácia Hospitalar

Farmácia Hospitalar no Brasil: evolução, conceito e atribuições.

Histórico da Farmácia Hospitalar no Brasil

1950 – Processo de modernização dos serviços de farmácia das santas casas de misericórdia e do hospital das clínicas da universidade de são paulo.

1973 – Publicação do livro “iniciação à farmácia hospitalar” – josé sylvio cimino.

1979 – Implantação do 1° Serviço de Farmácia Clínica e do 1° Centro de Informação Sobre Medicamentos do Brasil, no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

1980 – 1° curso de Especialização em Farmácia Hospitalar, na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

1982 – Seminário sobre Farmácia Hospitalar, Ministério da Educação, em Brasília.

1983 – 1° Curso Brasileiro de Farmácia Clínica, no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

1990 – Resolução 208 do CFF – a 1ª a regulamentar a Farmácia Hospitalar no Brasil. Depois foi revogada pelo resolução 492.

1995 – Criação da SBRAFH – Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar

1997 – Resolução 300 do CFF – revogou a resolução 208 e trouxe outras atualizações.

2008 – Resolução 492 do CFF que regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na Farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde,de natureza pública ou privada.

2010 – Portaria 4283 do Ministério da Saúde – Diretrizes para a Farmácia Hospitalar no Brasil.

Definição

A Resolução 492 do Conselho Federal de Farmácia (CFF) define Farmácia Hospitalar e outros serviços de Saúde como “a unidade clínica, administrativa e econômica, dirigida por farmacêutico, ligada hierarquicamente à direção do hospital

ou serviço de saúde e integrada funcionalmente com as demais unidades administrativas e de assistência ao paciente”.

A Farmácia Hospitalar apresenta importância técnica e administrativa, tendo estas duas características a dispensação como ponto em comum. A sustentação da Farmácia Hospitalar se dá através das seguintes ações:

* Gestão;

* Desenvolvimento de Infra-estrutura;

* Preparo, distribuição, dispensação e controle de medicamentos e produtos para a Saúde;

* Otimização da Terapia Medicamentosa;

* Informação sobre Medicamentos e produtos para a Saúde;

* Ensino, educação permanente e Pesquisa.

As atribuições do Farmacêutico hospitalar são variadas e de uma amplitude muito grande. Partimos da dispensação, conforme mencionado acima, e chegamos até a Farmácia Clínica.

São atribuições do Farmacêutico hospitalar:

* Atuar na seleção e padronização de medicamentos, produtos para a saúde, insumos, matérias primas e saneantes; podendo se estender ao apoio na aquisição destes produtos.

* Contribuir para a otimização da terapia medicamentosa.

* Zelar pelo armazenamento adequado dos medicamentos e produtos para a Saúde, nos aspectos qualitativo e quantitativo.

* Adotar um sistema eficiente de dispensação de medicamentos quer seja nos âmbitos ambulatorial e nas unidades de internação.

* Desenvolver atividades de Farmacotécnica, sendo as principais:

o Fracionamento de medicamentos

o Manipulação de fórmulas oficinais e magistrais

o Preparação de Nutrição Parenteral e demais misturas estéreis

o Diluição de quimioterápicos

o Produção de medicamentos

o Controle de Qualidade

* Elaborar manuais técnicos e formulários, sendo os mais importantes:

o Guias de diluição e estabilidade

o Interações medicamentosas

o Reações adversas

o Protocolos de uso dos medicamentos

* Atuar e manter membro permanente nas Comissões Hospitalares, sendo as principais:

o CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar)

o EMTA (Equipe multidisciplinar de terapia antineoplásica)

o EMTN (Equipe multidisciplinar de terapia nutricional)

o Comissão de Farmacovigilância

o Comissão de gerenciamento de riscos

o Programa de gerenciamento de resíduos em serviços de saúde

o CFT (Comissão de Farmácia e Terapêutica)

o Comissão de análise de Compras (seleção de fornecedores)

* Atuar nos ensaios clínicos e Farmacovigilância

* Promover ações de educação continuada

* Estimular a implantação da Farmácia Clínica

* Estimular atividades de cunho científico, como pesquisas e estudos de utilização de medicamentos (EUM)

* Desenvolver novas tecnologias:

  •  Medicamentos
  •  Automação e informatização
  •  Gestão
Farmácia Hospitalar © 2018 Frontier Theme